O lixo doméstico normalmente é recolhido pela empresa de limpeza pública e muitas vezes são jogados em grandes lixões para efeito de decomposição. Depois de um período de sessenta dias, devido ao processo de degradação e solubilização de resíduos sólidos esse lixo gera uma espécie de gás metano e chorume.

O chorume, também conhecido por líquido percolado ou lixiviado, era inicialmente apenas a substância gordurosa expelida pelo tecido adiposo da gordura de um animal peludo. Posteriormente, o significado da palavra foi ampliado e passou a significar o líquido poluente. É uma substância líquida resultante do processo de putrefação (apodrecimento) de matérias orgânicas de cor escura e odor nauseante, originado de processos biológicos, químicos e físicos da decomposição de resíduos orgânicos. Esses processos, somados com a ação da água das chuvas, se encarregam de lixiviar compostos orgânicos presentes nos lixões para o meio ambiente.

Sua composição varia de acordo com diversos fatores, como o tipo de detritos descartados sobre o solo, o tipo de solo, o teor de umidade, a quantidade de oxigênio distribuída, a forma como foi implantado o aterro sanitário, sua localização em relação ao lençol freático, entre outros. Geralmente é de substâncias orgânicas (principalmente carbono e nitrogênio orgânico), além de materiais inorgânicos, como mercúrio, cobre, chumbo, arsênio, cádmio, cobalto e cromo.

Com isso, este produto tem alto poder de poluir a água e o solo, além de causar doenças, sendo difícil prever seus resultados, quando o lençol freático é contaminado, as águas superficiais, como rios, lagos e minas também são poluídas, uma vez que são abastecidas por ele, podendo comprometer todos os seres que compõem a cadeia alimentar em consequência da sua ação. A poluição do ar torna-se inevitável já que também libera gás metano e gás carbônico.

O chorume apresenta, ainda, uma elevada concentração de demanda biológica de oxigênio (DBO), corresponde à quantidade de oxigênio necessária para ocorrer à oxidação da matéria orgânica no meio aquático por processos biológicos, sendo expresso em miligramas por litro (mg/L). É o parâmetro mais empregue para medir poluição. O aumento desse índice representa um grave problema ambiental: quando a necessidade de oxigênio é muito alta, pode ocorrer, como alternativa, a decomposição anaeróbia da matéria (sem presença de oxigênio), o que leva à produção de gases tóxicas como metano, gás carbônico, mercaptanas, amônia, fenóis e outros.

Uma forma de solucionar os impactos ambientais causados pelo chorume é o tratamento desse produto, que pode ser tratado de duas formas de tratar esse material. A principal é a aeróbia, onde se fornece o oxigênio necessário para decompor a matéria completamente. A outra é a anaeróbia, sem a presença de oxigênio em reatores fechados. A escolha quanto ao meio usado para o tratamento depende de sua composição e características. Porém, é preciso ter consciência de que quanto mais lixo é produzido, maior será a contaminação pelo chorume, sendo assim de grande importância diminuir o uso de produtos que causem o impacto ambiental do lixo produzido, e também da cultura de consumo.